(54) 3333-9000
(54) 99983-0259

INFORMATIVOS

MACROPHOMINA PHASEOLINA EM SOJA

MACROPHOMINA PHASEOLINA EM SOJA:

A podridão de carvão, causada por Macrophomina phaseolina, é encontrada nos solos cultiváveis do Brasil. Essa doença se manifesta principalmente em solos compactados, onde as raízes não conseguem se aprofundar e estão mais sujeitas às condições de estresse hídrico. Altas temperaturas, que podem ocorrer ao longo do período de cultivo, estimulam maior evapotranspiração e, consequentemente, podem favorecer a ocorrência de deficits hídricos e também, da doença.

Características do Fungo

São encontrados sobre a epiderme das raízes ou na camada externa do córtex e na região do colo. Com a decomposição desses tecidos, os microesclerócios são liberados no solo. Em contato com a região do colo ou da raiz da planta, germinam e infectam as raízes.

No Brasil, o que tem sido visto é que os solos com alta densidade (mais compactados) e sob elevada temperatura (acima de 50ºC, na superfície, nas horas mais quentes do dia), apresentam condições que favorecem a infecção por esse fungo.

 

Sintomas

A infecção das raízes pode ocorrer des do início da germinação, visto que o fungo é um habitante natural dos solos. Lesões no colo da planta são de coloração marrom-avermelhada e surpeficiais. Radícolas infectadas apresentam tecidos com escurecimento. Após o florecimento e ocorrendo deficit hídrico, as folhas tornam se inicialmente cloróticas, secam e adiquerem coloração marrom permanecendo aderidas aos pecíolos. Nessa fase, as plantas apresentam raízes de cor cinza, cuja epiderme é facilmente destacada, mostrando microesclerócios negros nos tecidos.

As plantas infectadas que sobrevivem à infecção inicial vão apresentar sintomas de amarelecimento na época de formação de vagens, similar à maturação normal. O amarelecimento é progressivo, levando à murcha. As folhas permanecem aderidas, mas ficam caídas, ao longo das hastes (principal característica), posteriormente tornando-se secas e de coloração marrom-escura.

Controle

Adequada cobertura do solo com restos de culturas, acompanhado de bons manejos físicos e químico do solo, mostrou-se eficaz, por reduzir estresse hídrico, diminuindo a predisposição das plantas ao ataque de M. phaseolina. Em solos compactados e fazer escarificação para facilitar a penetração das raizes. Tambem tem a possibilidade da realização de manejo com adubação de potassio e o cuidado para que não haja uma superpopulação, garantindo que a soja tenha um desenvolvimento vegetativo abundante. Além disso, é necessário ter qualidade na semeadura, criando um ambiente favoravel para o desenvolvimento de raízes.

 

 Estágiario em Técnico em Agropecuaria Fabiel Staudt e  Michel Jorge Uebel.

Galeria de Fotos

 Clique nas imagens para ampliar

OUTROS INFORMATIVOS

Semeadura da cultura da soja

LER MAIS
DESSECAÇÃO EM PRÉ SEMEADURA DA CULTURA DA SOJA

DESSECAÇÃO EM PRÉ SEMEADURA DA CULTURA DA SOJA

LER MAIS
DESSECAÇÃO PRÉ-COLHEITA DO TRIGO

DESSECAÇÃO PRÉ-COLHEITA DO TRIGO

LER MAIS